Prevenção à violência contra as mulheres

: uma revisão das práticas internacionais e a urgência da atuação no Brasil

  • Roberta Gregoli
  • Sope Otulana
Palavras-chave: Mulheres; gênero; violência; prevenção; boas práticas; Lei Maria da Penha

Resumo

Nas últimas décadas, sobretudo a partir dos anos 2000, as políticas de enfrentamento à violência contra as mulheres desenvolveram-se de maneira exponencial. Essas políticas, entretanto, tiveram como foco a resposta à violência, depois de sua ocorrência. Entendendo o enfrentamento à violência como um conjunto de ações envolvendo não somente a resposta, mas também a prevenção, este artigo apresenta argumentos a favor da prevenção como um eixo de atuação prioritário e urgente. A revisão de intervenções internacionais na área de prevenção à violência contra mulheres e meninas demonstra que abordagens participativas, que promovem o questionamento e a mudança das normas sociais que geram a violência, são consideradas as mais avançadas.

Referências

ABRAMSKY, T.; DEVRIES, K.; MICHAU, L.; NAKUTI, J.; MUSUYA, T.; KISS, L.; KYEGOMBE, N.; WATTS, C. Ecological pathways to prevention: how does the SASA! community mobilisation model work to prevent physical intimate partner violence against women? BMC Public Health, London, v. 16, n. 339, p. 1-21, 2016.

ALEXANDER-SCOTT, M.; BELL, E; HOLDEN, J. Shifting social norms to tackle violence against women and children. DFID guidance notes, violence against woman and girls helpdesk. 2016. Disponível em: pdf>. Acesso em: 10 ago. 2018.


ARRUDA, S.; NASCIMENTO, M. O valente não é violento. Planos de aula. 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2018.

BARKER, G.; RICARDO, C.; NASCIMENTO, M. Engaging men and boys in changing gender-based inequity in health: evidence from programme interventions. Geneva: World Health Organization, 2007. Disponível em: < http://www.who.int/gender/documents/Engaging_ men_boys.pdf> . Acesso em: 20 set. 2018.
BOTT, S.; MORRISON, A., ELLSBERG, M. Preventing and responding to gender-based violence in middle and low income countries: a global review and analysis. World Bank Policy Research Working Paper 3618, 2005. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2018.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei n. 11.340, de 07 de agosto de 2006. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2018.

. Presidência da República. Secretaria de Políticas para Mulheres. Rede de enfrentamento à violência contra as mulheres. Brasília: Secretaria de Políticas para Mulheres, 2011a. Disponível em: . Acesso em: 2 out. 2018.

. Presidência da República. Secretaria de Políticas para Mulheres. Política nacional de enfrentamento à violência contra as mulheres.
Brasília: Secretaria de Políticas para Mulheres, 2011b. Disponível em:
. Acesso em: 5 set. 2018.

. Presidência da República. Secretaria de Políticas para Mulheres. Programa Mulher, viver sem violência. 2014. Disponível em:
. Acesso em: 10 ago. 2018.

. Presidência da República. Secretária de Políticas para Mulheres. RASEAM: Relatório Anual Socioeconômico da Mulher 2014. Brasília: Secretária de Políticas para Mulheres, 2015. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2018.

. Senado Federal. Violência doméstica e familiar contra a mulher: pesquisa DataSenado. Brasília: Observatório da Mulher contra a Violência, 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2018.

CHANNON, A.; NGULUBE, E. I care about her. 2015. Disponível em: pdf;jsessionid=7271D92D80C64E2515081D52DAA109DD?sequence=1>. Acesso em: 20 jul. 2018.

DEVELOPMENT TRACKER. Documents. Department for International Development. Addressing gender based violence in South Africa. 2017.
Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2018.

DISTRITO FEDERAL. Maria da Penha vai à escola. 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2018.

FLOOD, M.; PEASE, B. Factors Influencing Attitudes to Violence Against Women. Trauma, violence & abuse, Austrália, v. 10, n. 2, p. 125-142, 2009.

FLOOD, M. Work with men to end violence against women: a critical stocktake. Culture, health & sexuality, Austrália, v. 17, n. 2, p. 159-176, 2015.

HAIDER, H. Changing gender and social norms, attitudes and behaviours. 2017. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2018.

HASSINK, A.; BARINGER, L; EDSTRÖM, J.; SHAHROKH, T. Introduction: framing the evidence and shifting social norms. In: EDSTRÖM, J.; HASSINK, A.; SHAHROKH, T.; STERN, E. (Eds.). A collaborative review of evidence on men and boys in social change and gender equality. Geneva: Institute of Development Studies, Promundo- US and Sonke Gender Justice, 2015.

INSTITUTE FOR REPRODUCTIVE HEALTH. A review of adolescent gender and sexual and reproductive health projects: findings and recommendations. 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2018.

. Great project. 2018. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2018.
LEVTOV, R.G.; BARKER, G.; CONTRERAS-URBINA, M.; HEILMAN, B.; VERMA, R. Pathways to Gender-equitable men: findings from the International Men and gender equality survey in eight countries, men and masculinities. Men and masculinities, Newbury Park, Califórnia, v. 17, n. 5, p. 467-501, 2014.

MEN CARE. Men Care a global fatherhood campaign. 2018. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2018.

MENON, J. et al. Midterm evaluation: stamping out and preventing gender-based violence in Zambia. 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2018.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - MULHERES. Uma vitória leva à outra. 2016. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2018.

. Educação. [2018?]. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2018.

OXFORD POLICY MANAGEMENT. Strengthening the response to violence against women and girls in Brazil. 2018. Disponível em:
. Acesso em: 20 set. 2018.

PAWLAK, P.; SLEGH, H.; BARKER, G. Journeys of Transformation: a training manual for engaging men as allies in women’s economic empowerment. 2012. Disponível em: . Acesso em: 25 set. 2018.

PROMUNDO. LIVING PEACE. 2018a. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2018.

. Program H. 2018b. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2018.

QUEM AMA ABRAÇA. Uma história que ainda busca um final feliz. 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2018.

RICARDO, C.; EADS, M.; BARKER, G. Engaging boys and young men in the prevention of sexual violence: a systematic and global review of evaluated interventions. Washington: Sexual Violence Research Initiative, 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2018.

RUTGERS; PROMUNDO; SONKE GENDER JUSTICE. Prevention+: men and women ending gender-based violence. 2017. Disponível em:
. Acesso em: 20 set. 2018.

SAMUELS F. et al. Baseline study: stamping out and preventing gender based violence (STOP GBV) in Zambia. 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2018.

UNITED NATIONS - WOMEN. Voices against violence. 2013. Disponível em: . Acesso em: 4 set. 2018.

UNITED NATIONS - WOMEN. A framework to underpin action to prevent violence against women. 2015. Disponível em: library/publications/2015/prevention_framework_unwomen_nov2015. pdf?la=en&vs=5223>. Acesso em: 20 set. 2018.

WHAT WORKS TO PREVENT VIOLENCE. Indashyikirwa: Agents of Change for GBV Prevention. 2018. Disponível em: whatworks.co.za/about/global-programme/global-programme-projects/ item/54-indashyikirwa-agents-of-change-for-gbv-prevention>. Acesso em: 15 ago. 2018.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Preventing intimate partner and sexual violence against women: taking action and generating evidence. Geneva: World Health Organization, 2010. Disponível em:
. Acesso em: 15 ago. 2018.
Publicado
2018-11-23
Como Citar
GREGOLI, R.; OTULANA, S. Prevenção à violência contra as mulheres. Revista Científica de Direitos Humanos, v. 1, n. 1, p. 153 a 178, 23 nov. 2018.