Direito à educação de pessoas LGBT

: uma transformação na e a partir da escola

  • Alexandre Bortolini Universidade de São Paulo
  • Thaís Pimentel
Palavras-chave: Educação, LGBT, Direito, Gênero

Resumo

Este artigo parte da problematização da narrativa hegemônica sobre a construção dos direitos humanos, em especial o direito à educação, a qual se contrapõe às críticas decolonial, racial, feminista, assim como àquelas oriundas dos estudos gays e lésbicos e à teoria queer. Busca evidenciar o quanto o sujeito desses direitos é generificado, racializado, sexualmente regulado e etnicamente localizado. Parte-se dessa reflexão para pensar os processos de escolarização e sua desigual distribuição, com foco na situação de pessoas LGBT. Os avanços vividos com a formulação de discurso educacional, especificamente voltado à inclusão e valorização destes sujeitos, além de se mostrarem precários, apontam para distribuição desigual dos seus frutos. Define-se essa precariedade e desigualdade, com ênfase em suas dimensões de gênero, raça e classe, em especial no que se relacionam às lutas para a definição destes sujeitos como sujeitos de direito em um contexto em que ganham força projetos políticos de desumanização.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LÉSBICAS, GAYS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Pesquisa Nacional sobre o Ambiente Educacional no Brasil 2015: as experiências de adolescentes e jovens lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais em nossos ambientes educacionais. Curitiba: ABGLT, 2016.
BALL, Stephen. Sociologia das políticas educacionais e pesquisa crítico-social: uma revisão pessoal das políticas educacionais e da pesquisa em política educacional. Currículo sem Fronteiras, v. 6, n. 2, p. 10-32, 2006.
___________. Educational reform: a critical and post-structural approach. Buckingham: Open University Press, 1994.
BENTO, Berenice. Nome social para pessoas trans: cidadania precária e gambiarra legal. Revista Semestral do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFSCar, v. 4, n. 1, p. 165, 2014.
BOBBIO, Norberto. Era dos direitos. Elsevier, Rio de Janeiro, 2004.
BRAGATO, Fernanda Frizzo. Para além do discurso eurocêntrico dos direitos humanos: contribuições da descolonialidade. Novos estudos jurídicos, v. 19, n. 1, p. 201-230, 2014.
BRASIL. Conselho Nacional de Combate à Discriminação. Brasil Sem Homofobia: programa de combate à violência e à discriminação contra GLTB e promoção da cidadania homossexual. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.
BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Projetos Educacionais Especiais. Diretrizes para uma política educacional em sexualidade. Brasília : MEC/SEPESPE, 1994.
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Conselho Nacional da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

CARRARA, Sérgio; RAMOS, Sílvia; MÁRCIO, Caetano. Política, Direitos, Violência e Homossexualidade: Pesquisa 8ª Parada do orgulho GLBT Rio 2003. Rio de Janeiro : Pallas, 2003.
CARRARA, Sérgio; RAMOS, Silvia. Política, direitos, violência e homossexualidade. Pesquisa 9ª Parada do Orgulho GLBT Rio 2004. Rio de Janeiro: CEPESC, 2005.
CARRARA, Sérgio; FACCHINI, Regina; SIMÕES, Júlio; RAMOS, Silvia. Política, Direitos, Violência e Homossexualidade: Pesquisa. 9ª Parada do Orgulho GLBT – São Paulo 2005. Rio de Janeiro: CEPESC, 2006.
CARRARA, Sérgio. Política, Direitos, Violência e Homossexualidade: Pesquisa 5a Parada da Diversidade - Pernambuco 2006. Rio de Janeiro: CEPESC, 2007.
CARREIRA, Denise. Igualdade e diferenças nas políticas educacionais: a agenda das diversidades nos governos Lula e Dilma. 2015. 508p. (Tese de Doutorado) Universidade de São Paulo. São Paulo, 2015.
CORNEJO-VALLE, Mónica; PICHARDO, J. Ignacio. La “ideología de género” frente a los derechos sexuales y reproductivos. El escenario español. Cadernos Pagu [online], v. 50, 2017.
CRENSHAW, Kimberlé. A intersecionalidade na discriminação de raça e gênero. Ação Educativa, v.1, p. 7 - 16, 2012.
DANILIAUSKAS, Marcelo. Relações de gênero, diversidade sexual e políticas públicas de educação: uma análise do programa Brasil sem homofobia. Dissertação (Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.
FACCHINI, Regina. Sopa de letrinhas?: movimento homossexual e produção de identidades coletivas nos anos 90. Rio de Janeiro: Editora Garamond, 2005.
FERNANDES, Felipe Bruno Martins. A Agenda anti-homofobia na educação brasileira (2003-2010). Tese (Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.
FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
FRIGOTTO, Gaudêncio. Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017.
GENTILI, Pablo. O direito à educação e as dinâmicas de exclusão na América Latina. Educação & Sociedade, v. 30, n. 109, p. 1059-1079, 2009.
GREEN, James N. “Mais amor e mais tesão”: a construção de um movimento brasileiro de gays, lésbicas e travestis. Cadernos Pagu, n. 15, p. 271-295, 2000.
IRINEU, Bruna Andrade. 10 anos do Programa Brasil Sem Homofobia: notas críticas. Temporalis, v. 14, n. 28, p. 193-220, 2014.
JUNQUEIRA, Rogério Diniz (org). Diversidade sexual na educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, UNESCO, 2009.
JUNQUEIRA, Rogério Diniz. Pedagogia do armário e currículo em ação: heteronormatividade, heterossexismo e homofobia no cotidiano escolar in MISKOLCI, Richard. PELÚCIO, Larissa (Org.). Discursos fora de ordem: sexualidades, saberes e direitos. São Paulo: Annablume, 2012.
LAHIRE, Bernard; VINCENT, Guy; THIN, Daniel. Sobre a história e a teoria da forma escolar. Educação em revista, v. 33, p. 7-47, 2001.
LIONÇO, Tatiana; DINIZ, Débora. Homofobia & Educação: um desafio ao silêncio. In: Homofobia & educação: um desafio ao silêncio. 2009.
LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Autêntica: Belo Horizonte, 1999.
MASCARO, Alysson Leandro. Estado e forma política. Boitempo Editorial, São Paulo, 2015.
MAZZON, José Afonso. Ações Discriminatórias no âmbito escolar (relatório de pesquisa). São Paulo: MEC-INEP e FIPE-USP, 2009. Disponível em http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/relatoriofinal.pdf. Acesso em: 12 de novembro de 2016.
MELLO, Luiz; BRITO, Walderes; MAROJA, Daniela. Políticas públicas para a população LGBT no Brasil: notas sobre alcances e possibilidades. Cadernos pagu, v. 39, p. 403-429, 2012.
OLIVEIRA, Megg Rayara Gomes. Trejeitos e trajetos de gayzinhos afeminados, viadinhos e bichinhas pretas na educação!. Revista Periódicus, v. 1, n. 9, p. 161-191, 2018.
PECHENY, Mario; DE LA DEHESA, Rafael. Sexualidades y políticas en América Latina: un esbozo para la discusión. In: CORRÊA, Sonia; PARKER, Richard. Sexualidade e política na América Latina: histórias, interseções e paradoxos. Rio de Janeiro: ABIA, 2011. p. 31-79.
PRECIADO, Paul B. Multidões queer: notas para uma política dos "anormais". Revista Estudos Feministas, v. 19, n. 1, p. 11-20, 2011.
PREFEITURA DE SÃO PAULO. Transcidadania: Práticas e Trajetórias de um Programa
Transformador. São Paulo, 2017.
QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. In: Lander,
Edgardo (org). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas
latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005
SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. A mulher na sociedade de classes. Vozes, 1976.
SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, v. 20, n. 2, p. 71-99, 1995.
SOUZA, Jesse. A Elite do Atraso: Da escravidão à lava-jato. São Paulo, 2017
RANIERI, Nina Beatriz Stocco. Educação obrigatória e gratuita no Brasil: um longo caminho, avanços e perspectivas in RANIERI, Nina Beatriz Stocco; ALVES, Angela Limongi Alvarenga (org). Direito à educação e direitos na educação em perspectiva interdisciplinar UNESCO/USP, São Paulo: 2018.
RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala?. Letramento Editora e Livraria; Rio de Janeiro, 2017.
RIBEIRO, Marcos. Educação sexual: Além da informação. São Paulo: EPU, 1990.
MOIRA, Amara. Travesti ou mulher trans: tem diferença? Disponível em: http://midianinja.org/amaramoira/travesti-ou-mulher-trans-tem-diferenca. Acessado em 10/09/2018
PEÇANHA, Leonardo. Visibilidade Trans: pra quem?. Disponível em: http://negrosblogueiros.com.br/leonardombpecanha/2016/visibilidade-trans-pra-quem. Acessado em 10/09/2018
COSTA, Alan. Bichas pretas: entre o objeto, o abjeto – poucas vezes afeto. Disponível em: http://correionago.com.br/portal/bichas-pretas-entre-o-objeto-o-abjeto-poucas-vezes-afeto. Acessado em 10/09/2018
TRANSGENDER EUROPE. Trans Murder Monitoring Project. Disponível em:http://transrespect.org/en/research/trans-murder-monitoring/. Acessado em 11/09/2018.
VIANNA, Cláudia. Gênero, sexualidade e políticas públicas de educação: um diálogo com a produção acadêmica. Pro-Posições, p. 68, 2012, Campinas, v. 23, n. 2.
Publicado
2018-11-23
Como Citar
BORTOLINI, A.; PIMENTEL, T. Direito à educação de pessoas LGBT. Revista Científica de Direitos Humanos, v. 1, n. 1, p. 82 a 104, 23 nov. 2018.